sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Vestida de Rede

















De redes ou rendas
Assim nua, não estarás
E se estiveras quiçá
Que mal nisso trarás

Ao mundo assim vieste
Nua linda e graciosa
Aqui inventaram as vestes
Use-as de forma dengosa.

De rede ou de rendas
Do Amanhecer ou anoitecer
Tua graça ninguém tira
E nua não estarás hó! Ser.

Linda, nem nua nem vestida
Charmosa, Mulher Garbosa
Singela, Amada gazela
Usa-as e não dá prosa.

Redes que linda me fizeste
Hó Deus onde estão minhas vestes
Nas rendas Ao mundo vieste
Com rendas no mundo viveste.

Um comentário:

  1. Oi Rui! Muito obrigada mesmo pelo carinho!!! Acho que o mais me fazia falta era me sentir acolhida por pessoas que lutam por uma mesmo ideal. Vocês todos têm sido fantásticos comigo!!! Amei suas poesias! Sou do mundo das Letras mas não tenho esse dom!!!!
    Sobre a agua, gostaria de conversar mais a respeito com você. Preciso saber como faço pra ter certeza de que estou bebendo a quantia certa...
    Me adicione no msm!(daniela.falco@hotmail.com)
    Besitos!

    ResponderExcluir